SOBRE NÓS

A Sociedade Missionária Hora Luterana é uma organização auxiliar da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (www.ielb.org.br).

Atuamos no Brasil desde 1947.
Saiba mais clicando aqui!

CONECTE-SE

(11) 5097-7600

 

Av. Vereador José Diniz, 2306

São Paulo, SP - CEP 04604-004

 

horaluterana@horaluterana.com

MÍDIAS
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Google ícone de reprodução
  • Ícone branco Apple Music
  • CMCJ

1. Por que Jesus?

Com tantas religiões no mundo, o que torna o cristianismo único? A fé cristã ensina que Deus enviou Jesus para restaurar o nosso relacionamento com ele. Ele conectou-se a nós!

Recursos "1. Por que Jesus?"

Guia de Estudos Online

1. Por que Jesus?

Normalmente a vida é bastante rotineira e comum. Distrações, irritações e problemas ocorrem, mas na maioria das vezes podemos lidar com eles por conta própria. Mas, de vez em quando, encontramos um problema grande demais para nós. E as dúvidas surgem. Qual é o meu lugar neste imenso Universo? O que é a eternidade?

 

Nós acabamos vivendo a nossa vida nos ocupando o tempo todo. Ainda assim, lá no fundo da nossa mente queremos saber o que acontece quando a vida acaba. Queremos saber o que acontece na próxima vida - se houver vida depois! E as pessoas acabam apresentando duas maneiras básicas de lidarem com seu destino eterno: ou elas negam que há vida após a morte, ou elas fazem o melhor possível para merecer essa vida após a morte.

1.1. Como as pessoas negam a realidade e a importância da vida após a morte? 

 

Uma solução é negar a importância do assunto. Somos ensinados que a morte é uma parte natural da vida, e que devemos simplesmente aceitá-la. Quando dermos o nosso último suspiro, deixaremos de existir, e pronto. Mas, pelo menos, podemos nos conformar sabendo que o ciclo da vida continua depois da nossa morte.

Para pensar

  • Quais aspectos dessa ideia são atraentes para as pessoas?

  • E o que, nessa visão sobre a morte, deixa a desejar, é insatisfatório?

1.2 Como algumas das principais religiões do mundo lidam com o assunto da vida após a morte?

 

Praticamente todas as crenças acreditam que algo nos espera do outro lado desta vida. A seguir estão exemplos de três das principais religiões do mundo:

ISLAMISMO – Para os muçulmanos, o propósito da vida é viver de uma maneira que agrade a Alá (Alá é a palavra árabe para Deus). E, fazendo isso, eles poderiam ganhar o paraíso. No final das contas, o destino eterno de uma pessoa é determinado de acordo com uma contabilidade na qual as suas boas ações superam as más ações. O nome desta religião tem sua raiz na palavra “aslama”, que significa “submissão”. O profeta Maomé ensinou que a paz pode ser alcançada submetendo-se a vida a Alá. Maomé (nascido em 570 A.D.) fundou esta religião quando ficou irritado com a idolatria e a imoralidade na Arábia. Usando sua frase fundamental, “não há Deus senão Alá, e Maomé é o seu profeta”, ele travou uma “guerra santa”, conquistando a maior parte da Arábia e removendo outras divindades.

 

O livro sagrado do Islã, o Alcorão, contém os ensinamentos de Maomé e foi escrito pelos seguidores de Maomé após a sua morte. O Alcorão exalta Maomé, e afirma que Jesus foi o seu precursor. Ele retrata Alá como uma divindade acima e separada de sua criação material. Os cinco pilares do Islamismo são os seguintes:

 

  • O Credo: “Não há deus senão Alá e Maomé é o seu profeta”;

  • A oração, que deve ser realizada cinco vezes por dia em horários designados;

  • A doação compulsória de 2,5% de todas as posses pessoais;

  • O jejum durante o Ramadã; 

  • A peregrinação à Meca.

 

Essas são as cinco práticas obrigatórias na vida de um muçulmano. O Islamismo afirma que Alá é um Deus de recompensa e punição, afirmando que é tolo acreditar em um Deus de amor ou graça, como os cristãos creem.

Para pensar

  • O que é atraente às pessoas na insistência do Islamismo em uma vida moral?

  • Pense nos cinco pilares do Islamismo. Seria fácil ou difícil, para um muçulmano, cumpri-los diariamente?

  • Se o seu destino eterno estivesse em jogo, como você se sentiria ao não conseguir saber se as suas boas obras são mais numerosas do que as más?

 

Aprofundando

HINDUISMO - Esta é a terceira maior religião do mundo, depois do cristianismo e do islamismo. O hinduísmo ensina que a alma nunca morre, mas renasce em uma forma humana ou animal a cada vez que o corpo morre. Esse ciclo de morte e renascimento é chamado de reencarnação. Para os hindus, alcançar a perfeição espiritual pode exigir dez mil reencarnações. O hinduísmo surgiu das culturas tribais da Índia e possui muitas práticas, filosofias e leis, e não há um único deus. O hinduísmo acredita que quando uma pessoa adora a qualquer deus, esse louvor é recebido pelo deus supremo chamado Brahma. As deidades estão presentes em imagens esculpidas. Portanto, alimentos e cuidados físicos são oferecidos a esses ídolos. Você provavelmente já ouviu falar de “carma”. Segundo a regra do “carma”, as nossas boas e más ações têm consequências nesta vida e na próxima, afetando a forma como a nossa alma renascerá em nossa próxima reencarnação. Uma vez alcançada a perfeição espiritual, a alma se une ao Ser Supremo em plena iluminação e paz. Ter várias chances na vida terrena pode parecer maravilhoso no início, mas os hindus veem a desvantagem de viver neste mundo arruinado. O objetivo de sua fé é viver uma vida exemplar para que, finalmente, você se liberte do ciclo das reencarnações repetidas e se una ao Ser Supremo para sempre.

Para pensar

  • Qual é o apelo da reencarnação a alguém que está enfrentando a própria morte? 

  • Qual seria a desvantagem se reencarnássemos seguidamente neste mundo?

  • O que é atraente na ideia de se unir ao Ser Supremo?

 

Aprofundando (somente em inglês)

BUDISMO – No budismo, o foco não é ter um relacionamento com um deus. Em vez disso, trata-se de alcançar a liberdade, libertando-se totalmente de todos os sentimentos e paixões. Essa liberdade é conhecida como Nirvana. O Zen é o budismo japonês. “Buda” significa “desperto”. Você já viu uma estátua de um Buda pesado, com um olhar tranquilo e satisfeito em seu rosto? Esse é o fundador do budismo, Sidarta Gautama. O budismo ensina um caminho de oito aspectos para se alcançar essa liberdade: compreensão correta, pensamento correto, fala correta, ação correta, meio de vida correto, esforço correto, atenção correta e concentração correta. São muitas coisas para serem mantidas corretas, não é?

Para pensar

  • Descreva paixões e sentimentos poderosos que enchem a nossa vida de drama.

  • Por que as pessoas são atraídas pelos aspectos de paz e de liberdade do budismo?

  • Qual seria a lado ruim de uma eternidade sem emoção e paixão?

1.3 Exigências muito baixas?

 

Um aspecto comum em todas as religiões, exceto no cristianismo, é a exigência de que a pessoa realize algo: devemos fazer algo para alcançar a paz perfeita ou alcançar o favor de Deus. Mas esse aspecto tem alguns grandes problemas. Como eu sei se já fui bom o suficiente? Como eu sou imperfeito, por que o Deus santo e sem pecado deveria abaixar seus padrões de retidão para aceitar o comportamento imperfeito e pecaminoso de seus seguidores? Vamos ler o que a Bíblia diz.

 

Tu não és Deus que tenha prazer na maldade; tu não permites que os maus sejam teus hóspedes. Tu não suportas a presença dos orgulhosos e detestas os que praticam o mal. (Salmo 5.4-5)

 

Pois quem guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos. (Tiago 2.10)

Para pensar

  • De acordo com a Bíblia, o quanto Deus diminuiu as suas exigências com relação ao que devemos fazer se queremos merecer a nossa entrada no céu?

1.4 Do que somos realmente capazes?

 

Todas as religiões, com exceção do cristianismo, baseiam-se em seres humanos cumprindo algum requisito de Deus. No entanto, no terceiro capítulo da Carta aos Romanos, a Bíblia nos diz qual é a verdade sobre as capacidades humanas. 

 

Como dizem as Escrituras Sagradas: “Não há uma só pessoa que faça o que é certo; não há ninguém que tenha juízo; não há ninguém que adore a Deus. Todos se desviaram do caminho certo, todos se perderam. Não há mais ninguém que faça o bem, não há ninguém mesmo. Todos mentem e enganam sem parar. Da língua deles saem mentiras perversas, e dos seus lábios saem palavras de morte, como se fossem veneno de cobra. A boca deles está cheia de terríveis maldições. Eles se apressam para matar. Por onde passam, deixam a destruição e a desgraça. Não conhecem o caminho da paz e não aprenderam a temer a Deus.” Nós sabemos que tudo o que a lei diz é dito para os que vivem debaixo da lei. Isso a fim de que todos parem de se justificar e a fim de que todas as pessoas do mundo fiquem debaixo do julgamento de Deus. Pois ninguém é aceito por Deus por fazer o que a lei manda, porque a lei faz com que as pessoas saibam que são pecadoras. (Romanos 3.10-20)

 

Os seres humanos são capazes de fazer coisas que nos parecem maravilhosas e nobres, mas somente Deus é perfeitamente santo e justo. A sua pureza absoluta exige de nós pureza absoluta se quisermos viver com ele no paraíso após esta vida. Cada um de nós carrega o peso de pecados que merecem o castigo de Deus.

1.5 O que Deus está disposto a fazer?

 

Bem, tudo! Sabendo que não podemos nos salvar, ele enviou o seu Filho Jesus para fazer algo totalmente revolucionário. O Filho eterno de Deus tomou sobre si a nossa natureza humana e, como nosso substituto, ele cumpriu a Lei de Deus perfeitamente. Então ele fez uma grande troca, dando-nos a sua vida perfeita de obediência e tirando de nós todos os pecados e falhas. Ele os levou para a cruz, onde ele sofreu as consequências dos pecados em nosso lugar.

 

Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus. (2Coríntios 5.21)

 

Mas agora Deus já mostrou que o meio pelo qual ele aceita as pessoas não tem nada a ver com lei. A Lei de Moisés e os Profetas dão testemunho do seguinte: Deus aceita as pessoas por meio da fé que elas têm em Jesus Cristo. É assim que ele trata todos os que creem, pois não existe nenhuma diferença entre as pessoas. Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus. Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva. (Romanos 3.21-24)

Mas, agora, sem lei, a justiça de Deus se manifestou, sendo testemunhada pela Lei e pelos Profetas. É a justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos e sobre todos os que creem. Porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. (Romanos 3.21-24, tradução da Bíblia Nova Almeida Atualizada)

 

Quando Jesus ressuscitou da morte, após a sua morte na cruz, ele derrotou a morte, o inimigo que nunca poderíamos derrotar, para que possamos receber o dom da vida eterna. Jesus disse: 

 

Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá. (João 11.25-26) 

 

Enquanto todas as outras religiões, ideologias e filosofias do mundo exigem que Deus abaixe os seus padrões para que as pessoas possam alcançar esse padrão e ir para o céu, o cristianismo mantém os padrões perfeitos de Deus. E, ao mesmo tempo, oferece um Salvador perfeito que resgatou a humanidade da corrupção, da dor, da imperfeição, da falha e do pecado.

Para pensar

  • Como a sua ideia sobre Deus muda quando você descobre que Deus manteve seus padrões morais perfeitos e ainda providenciou uma maneira para sermos salvos pela obra de Jesus na cruz por nós?

  • O que significa para você perceber que você não precisa fazer coisa alguma para ganhar a aprovação de Deus? Ou seja, que Jesus Cristo, seu Salvador, já tenha feito tudo por você?

1.6 Qual é o plano de Deus? 

 

Não conseguiríamos nos conectar a Deus. Mas a boa notícia é que Deus se conecta a nós. Ele tem feito isso de maneiras incríveis desde o início. Para restaurar a nossa conexão com Deus, que foi desfeita por causa do pecado, Jesus, na cruz, pagou voluntariamente, com a sua própria morte, a pena por nosso pecado! Este é o amor mais autêntico, surpreendente e ousado que se possa imaginar.

 

Compare a vida eterna no paraíso, prometida por Jesus, com as mais altas aspirações de outras religiões. Nós viveremos em perfeita paz e harmonia com todos, enquanto ainda desfrutaremos das emoções e paixões santas que Deus criou para nós. Viveremos em um mundo em perfeição moral, onde todos amam e cuidam uns dos outros. Mas, o melhor de tudo, estaremos sempre conectados ao nosso Deus, sem ter de viver milhares de vidas para chegar lá.

Aprofundando