SOBRE NÓS

A Sociedade Missionária Hora Luterana é uma organização auxiliar da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (www.ielb.org.br).

Atuamos no Brasil desde 1947.
Saiba mais clicando aqui!

CONECTE-SE

(11) 5097-7600

 

Av. Vereador José Diniz, 2306

São Paulo, SP - CEP 04604-004

 

horaluterana@horaluterana.com

MÍDIAS
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Google ícone de reprodução
  • Ícone branco Apple Music
  • CMCJ

10. Ceia do Senhor

O que você está comendo e bebendo na Santa Ceia? Mais do que se vê! Jesus entrega o perdão dele por meio desta refeição. Para os cristãos, participar da comunhão da Ceia de Cristo é vital. É um verdadeiro encontro com Deus.

Recursos "10. Ceia do Senhor"

Guia de Estudos Online

10. Ceia do Senhor

A Santa Comunhão, a Ceia do Senhor, a Eucaristia, o Sacramento do Altar, o Partir do Pão. Essas são expressões utilizadas para a “Santa Ceia”. Qualquer que seja o termo para nos referirmos a ela, nessa refeição Jesus Cristo realmente alimenta o seu povo com o seu próprio corpo e o seu próprio sangue. Isso mesmo. Você está lendo corretamente. Embora essa prática possa soar um pouco peculiar, ela tem sua origem diretamente em Jesus. Há um propósito divino poderoso por trás dela, ou melhor, em, com e sob ela.

10.1 O que é a Santa Ceia exatamente? 

 

É um sacramento que nos dá o verdadeiro corpo e sangue de Jesus Cristo. Seu corpo e sangue são unidos ao pão e ao vinho para nós cristãos comermos e bebermos. Não se preocupe; isso não é canibalismo. É uma refeição espiritual especial onde a mesa é colocada pelo próprio Senhor Jesus com comida celestial. Ele a instituiu na noite anterior à sua morte, ordenando que os seus seguidores continuassem com essa prática. Conforme o apóstolo Paulo escreve: 

 

O Senhor Jesus, na noite em que foi traído, pegou um pão e, tendo dado graças, o partiu e disse: “Isto é o meu corpo, que é dado por vocês; façam isto em memória de mim.” Do mesmo modo, depois da ceia, pegou também o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, todas as vezes que o beberem, em memória de mim.” Porque, todas as vezes que comerem este pão e beberem do cálice, vocês anunciam a morte do Senhor, até que ele venha. (1Coríntios 11.23-26) 

Para pensar

  • Por que algumas pessoas podem achar difícil aceitar que o corpo e sangue de Jesus estão de fato presentes no pão e no vinho?

 

Aprofundando

10.2 O que acontece na Santa Ceia?

 

Pelo poder da Palavra de Cristo, na Comunhão, coisas outrora separadas são colocadas juntas, em união: 

 

1. O corpo e o sangue de Jesus Cristo são unidos ao pão e ao vinho e dados aos que creem para que comam e bebam.

E, pegando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo:

— Isto é o meu corpo, que é dado por vocês; façam isto em memória de mim.

Do mesmo modo, depois da ceia, pegou o cálice, dizendo:

— Este cálice é a nova aliança no meu sangue derramado por vocês.  (Lucas 22.19-20)

 

2. Aquele que crê está em união com Cristo. Pelo próprio ato de comer e beber, Cristo está em nós e é parte de nós. Isso é possível somente porque este corpo e este sangue perdoam os pecados daquele que crê. 

 

Bebam todos dele; porque isto é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados. (Mateus 26.27-28)

 

3. O povo de Deus é colocado em união com outros que creem em Cristo, tanto com vivos como com aqueles que já aguardam no céu o dia da ressurreição. Durante a Comunhão, é como se os céus se abrissem, e nós compartilhamos de uma refeição jubilosa, cheia de festa e cantos!

 

Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão. (1Coríntios 10.17)

 

10.3 Quando isso acontece? E talvez ainda mais importante, como isso acontece?

 

Na celebração da Santa Ceia (nós não sabemos exatamente quando), o Senhor milagrosamente une seu corpo ao pão e seu sangue ao vinho. Este pão e este vinho “consagrados” tornam-se um meio pelo qual Deus transporta seu perdão alcançado na cruz para o seu povo. 

 

Enquanto comiam, Jesus pegou um pão, e, abençoando-o, o partiu e deu aos discípulos, dizendo:

— Tomem, comam; isto é o meu corpo.

A seguir, Jesus pegou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos seus discípulos, dizendo:

— Bebam todos dele; porque isto é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados. (Mateus 26.26-28)  

10.4 Como eu posso acreditar que isto está realmente acontecendo?

 

Jesus é ao mesmo tempo o Doador da ceia e o próprio Presente no pão e no vinho. O corpo e sangue de Cristo que fluem da cruz estão real e verdadeiramente presentes no sacramento. Tal presença não é humanamente compreensível a ponto de entendermos como isto é possível precisamente, mas envolve a fé dada pelo Espírito Santo na verdade das palavras de Jesus “Isto é o meu corpo, isto é o meu sangue”. 

 

Não é fato que o cálice da bênção que abençoamos é a comunhão do sangue de Cristo? E não é fato que o pão que partimos é a comunhão do corpo de Cristo?  (1Coríntios 10.16)

Para pensar

  • Por que é difícil para nós acreditarmos que este milagre acontece a cada celebração da Ceia do Senhor?

Aprofundando

10.5 Então o pão e o vinho são literalmente mudados para o corpo e sangue de Cristo? 

 

Não, a Bíblia claramente declara que o pão e o vinho estão presentes durante a refeição sacramental. 

 

Porque, todas as vezes que comerem este pão e beberem do cálice, vocês anunciam a morte do Senhor, até que ele venha. (1Coríntios 11.26) 

 

Alguns cristãos ensinam que cada vez que a comunhão acontece, Jesus Cristo está sendo sacrificado de novo literalmente, e que isso sempre se repete. A Bíblia diz que tudo está pronto, completo, pelo único sacrifício de Cristo na cruz.

 

Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados. (Hebreus 10.14)

 

Cristo sacrificou a si mesmo na cruz uma única vez para perdoar o mundo de seus pecados. Esta única morte (e ressurreição) foi suficiente para o nosso perdão. Na Santa Ceia Jesus nos traz o mesmo corpo e o mesmo sangue que ele entregou por nós em seu sacrifício corporal na cruz.

 

E, enquanto comiam, Jesus pegou um pão e, abençoando-o, o partiu e lhes deu, dizendo:

— Tomem; isto é o meu corpo. (Marcos 14.22)

10.6 Quem deveria tomar a Ceia do Senhor?

 

As pessoas que desejam estar seguras do perdão e da presença de Deus deveriam ter fome e sede pelo sacramento que nos une ao sacrifício de Jesus na cruz de maneira bem próxima, pelo qual ele conquistou o nosso perdão.  

 

Aqueles que desejam a Comunhão examinam o seu coração cuidadosamente e arrependem-se dos pecados que cometeram por pensamentos, palavras e ações. Esses acreditam na Boa Nova da vitória de Jesus contra a morte e que estão recebendo o próprio corpo e sangue de Cristo.

 

Por isso, aquele que comer o pão ou beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um examine a si mesmo e, assim, coma do pão e beba do cálice. Pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si.  (1Coríntios 11.27-29)

 

Ao contrário do que alguns podem pensar, os cristãos não pensam sobre si mesmos como pessoas perfeitas que nunca pecam. Nós sabemos que somos pecadores como todo mundo. No entanto, todos os que creem e que foram instruídos quanto à Santa Ceia, que examinam a si mesmos, arrependem-se sinceramente e buscam o perdão para o seus pecados genuinamente são bem-vindos a comungar. Não importa quão distantes de Deus eles possam sentir-se. Se a fé, por menor que seja, estiver no coração da pessoa, Deus a consolará, a perdoará e fortalecerá essa fé. O profeta Isaías oferece palavras consoladoras da misericórdia permanente de Deus: 

 

Não esmagará a cana quebrada, nem apagará o pavio que fumega. (Isaías 42.3)

Para pensar

  • Que certeza nós podemos ter ao saber que a Ceia do Senhor é dada especialmente para fortalecer e aumentar a fé daqueles cuja fé é fraca?

 

Aprofundando

10.7 Eu estou certo em pensar que talvez não seja todo mundo que deveria receber a Comunhão?

 

Pense sobre a Comunhão como sendo um tipo de remédio poderoso que Jesus prescreveu a nós. Desde que seja tomado conforme Jesus instruiu, ele trará uma regeneração tremenda e benefícios ao nosso espírito, alma, mente e corpo. Mas se nós o usamos de maneira errada, nós seremos prejudicados. 

 

Veja 1Coríntios 11.27-29 acima.

 

A verdade irônica nisto é que embora pareça ser uma falta de amor a igreja excluir outros da Comunhão, ela na verdade está profundamente preocupada com o bem-estar destas pessoas. A igreja verdadeiramente deseja que todo mundo esteja apto para participar da Comunhão. A questão chave, no entanto, é o receber da Comunhão de maneira certa. Portanto, a prática da Comunhão “fechada” é para proteger aqueles que seriam prejudicados por receberem o Sacramento de maneira errada.

 

Que atitude seria a mais amorosa e de cuidado caso você visse alguém fumando próximo a um recipiente cheio de gasolina e aberto?  Se você tirasse o cigarro da pessoa, ela poderia não entender em um primeiro momento. Mas com uma explicação quanto ao perigo envolvido, a resposta dela provavelmente seria de gratidão. 

 

Servir o corpo e o sangue de Cristo a alguém que seria prejudicado por este ato seria, da mesma maneira, algo não amoroso, uma falta de cuidado. 

Para pensar

  • Você se lembra de outros exemplos sobre quando a melhor coisa a fazer é dizer “não” a alguém com respeito a algo que a pessoa possa desejar ou querer fazer?

10.8 Quando então uma pessoa está pronta para ir à Comunhão?

 

As pessoas estão prontas quando: 

1. Elas creem em Jesus Cristo como verdadeiro Deus e Salvador e estão dispostas a arrependerem-se de seus pecados; 

Que cada um examine a si mesmo e, assim, coma do pão e beba do cálice. (1Coríntios 11.28)

 

2. Elas estão dispostas a perdoar aqueles que pecaram contra elas;

(Jesus disse:) Se, porém, não perdoarem aos outros as ofensas deles, também o Pai de vocês não perdoará as ofensas de vocês. (Mateus 6.15)

 

3. Elas acreditam que o corpo e o sangue de Jesus estão verdadeiramente presentes; 

Pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. (1Coríntios 11.29)

 

4. Elas podem examinar a si mesmas. 

 

Exemplos de pessoas incapazes de se auto examinarem incluem crianças pequenas, aqueles que ainda não foram instruídos na fé cristã e aqueles que são grave e mentalmente debilitados ou inconscientes.

Para pensar

  • Avalie cada um dos casos acima. Será que alguém em uma dessas situações realmente sentiria fome ou sede do perdão de Deus na Comunhão?

10.9 E se eu estiver com dificuldades com algo que a igreja chama de pecado, mas eu não estou certo de que concordo com ela quanto a isso? 

 

Seria sábio discutir as suas ideias e opiniões sobre o assunto e buscar mais esclarecimento na Bíblia.

 

Quando um pastor ou congregação encobre um pecado ou finge que não o vê e oferece a Ceia do Senhor, a impressão que se passa é que Deus não se importa com aquele comportamento, até mesmo se tal comportamento destrói a fé e conduz à impenitência.

 

Ainda pior, essa licença para pecar pode se espalhar, levando outras pessoas a pensarem que cometer tal pecado não é algo tão problemático assim. Esse exato problema aconteceu na igreja de Corinto. Uma pessoa estava vivendo abertamente de maneira contrária ao ensino da Bíblia, e a igreja aprovava isso! Paulo pediu a eles que colocassem aquele homem para fora da igreja.

 

Ouve-se por aí que entre vocês existe imoralidade, e imoralidade tal como não existe nem mesmo entre os gentios, isto é, que alguém se atreva a possuir a mulher de seu próprio pai. E vocês andam cheios de orgulho, quando deveriam ter lamentado e tirado do meio de vocês quem fez uma coisa dessas. 

Em nome de nosso Senhor Jesus, reunidos vocês e o meu espírito, com o poder de Jesus, nosso Senhor, que esse tal seja entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor.

Não é bom esse orgulho que vocês têm. Por acaso vocês não sabem que um pouco de fermento leveda a massa toda? Joguem fora o velho fermento, para que vocês sejam nova massa, como, de fato, já são, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado.  (1Coríntios 5.1-2, 4-7)

 

Felizmente, quando Paulo escreveu a sua carta seguinte à igreja em Corinto, aquela ação de repreender a pessoa em pecado, cumpriu o seu propósito de acordo com a vontade de Jesus. O homem havia se arrependido do seu pecado.

 

Basta-lhe a punição imposta pela maioria. De modo que, agora, pelo contrário, vocês devem perdoar e consolar, para que esse indivíduo não seja consumido por excessiva tristeza. Por isso, peço que vocês confirmem o amor de vocês para com ele. (2Coríntios 2.6-8)

 

Essa afirmação de amor incluiu restaurar aquele irmão arrependido à Comunhão. 

Para pensar

  • Por que as pessoas confundem disciplina com falta de amor e de respeito?

  • Como a disciplina da igreja reflete o verdadeiro amor para com os nossos irmãos e irmãs? 

10.10 Qual é a melhor maneira de examinar a mim mesmo antes de participar da Comunhão?

 

Seja honesto com você mesmo e com Deus fazendo perguntas como estas:

 

1. Eu estou verdadeiramente arrependido por causa dos meus pecados?

2. Eu acredito verdadeiramente que Jesus está presente nesta refeição como o Doador e o Presente?

3. Eu desejo, com a ajuda de Deus, abandonar os meus hábitos pecaminosos? 

Para pensar

  • Conversem sobre como cada uma dessas perguntas pode aumentar de verdade a nossa fome e a nossa sede pela Santa Ceia. 

10.11 De tudo isso, qual é a coisa mais importante a ser lembrada sobre a Comunhão? 

 

Toda essa conversa sobre a Ceia do Senhor mostra que ela é algo poderoso! Jesus quis que ela fosse uma bênção poderosa em nossa vida. A bênção mais importante, acima de tudo, é que Cristo vem até você para estar unido com você e conceder o maior presente de todos: o perdão do pecado! Com esse perdão, você sabe que tem vida agora e vida para sempre com Deus. É um pequeno aperitivo de todas as bênçãos que Deus quer dar a você.

 

(Jesus disse:) Porque isto é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados. (Mateus 26.28)